MANIFESTO EM DEFESA DA PROFISSÃO DO ECÓLOGO HUMANO NO BRASIL

MANIFESTO EM DEFESA DA PROFISSÃO DO ECÓLOGO HUMANO NO BRASIL

MANIFESTO EM DEFESA DA PROFISSÃO DO ECÓLOGO HUMANO NO BRASIL

A Sociedade Brasileira de Ecologia Humana – SABEH, vem através desta, manifestar apoio e proposições ao Projeto de Lei da Câmara nº 105, de 2013 (nº 3.809/2008, na Casa de origem), que dispõe sobre a regulamentação do exercício da profissão de Ecólogo.

No ensejo vem sugerir a inclusão da terminologia “Ecologia Humana” no texto legal da PLC, bem como atribuir a outros profissionais que tenham pós-graduação em Ecologia Humana as atribuições pela PLC propostas. Isto porque, a Ecologia Humana é uma ciência que estuda as relações humanas, individuais e coletivas dentro do contexto socioantropológico com o ambiente, tornando-se um grande instrumento de reflexão de mudança de paradigma em prol da vida. Em outras palavras, não seria equivocado dizer que é uma ciência eminentemente antropocêntrica, mas com visão multisistêmica e interdependente.

O profissional no seu contexto acadêmico e de pesquisa, deve ter uma visão inter, trans, multidisciplinar ou adisciplinar abarcando áreas da própria ecologia, biologia, psicologia, geografia, economia, história, antropologia, sociologia, e muitos outros campos de conhecimento, objetivando sempre, compreender a dinâmica da espécie humana nos seus complexos sistemas de interações.

É um equívoco tratar o ecólogo humano como um generalista, pois ele é um profissional com conhecimentos que ultrapassam a fronteira do conhecimento disciplinar, capaz de adentrar em outras áreas do saber. Não significa “invadir” o campo de outras ciências, mas ser capaz de encontrar nelas, como o de construir um pensamento realista do entorno, seja do próprio ser humano, seja do uso dos recursos naturais e suas consequencias, a fim de buscar uma visão mais próxima do desenvolvimento sustentável. Trata-se de um profissional formado para pensar os problemas ambientais complexos e resoluções sistêmicas para esses problemas, sobretudo, aqueles decorrentes das atividades humanas.

Sua aplicabilidade parte da compreensão das inter e intra-relações, conflitos sobre uma ordem cultural, ecológica e econômica, objetivando a perspectiva do desenvolvimento socioambiental sustentável, isto é, a capacidade do meio oferecer qualidade de vida para as populações humanas e, reciprocamente, como o ser humano pode oferecer qualidade para este meio que lhe assegura as condições para sua vivência e reprodução física, psíquica e cultural.

Sobre este conceito, acreditamos que o mercado para o ecólogo humano, embora esteja engatinhando, apresenta como de grande perspectiva em um futuro próximo onde as ações disciplinares, individuais, não darão conta das complexas e desafiadoras realidades que se apresentam aos humanos. Por outro lado, sua formação requer grande empenho do profissional pois já vem se consolidando como uma das mais importantes e significativas áreas do conhecimento, já que exige um profissional que ultrapasse as fronteiras da sua formação.

Destacamos que em vários países do mundo esta profissão não só é bastante reconhecida como muito valorizada, como é o caso da Europa, EUA e alguns países da América Latina, a exemplo do Paraguai com a destacada carreira de Engenharia da Ecologia Humana. No Brasil, temos programas de formação em Ecologia Humana em nível de mestrado, como na Universidade do Estado da Bahia (UNEB) e diversos cursos, já contam com a cadeira de Ecologia Humana nos seus programas de formação, como é o caso da UNIVASF, da UNEB, da UNIT, da UNICAMP, entre outras.

Suas áreas de atuação são diversificadas, podendo ser organismos governamentais, não governamentais e da iniciativa privada do tipo:

  • Analista ambiental;
  • Apoio na elaboração, aplicação e análise de programas socioambientais;
  • Atividades acadêmicas: Educador formal e educador ambiental;
  • Atuação como responsável técnico em projetos socioambientais;
  • Avaliador de impactos socioambientais;
  • Construção e implementação de obras estruturais que minimizam os impactos com o entorno;
  • Emissão de laudos e pareceres;
  • Estudos sobre ética e ciência política socioambiental;
  • Gestor e planejamento de territórios urbanos e rurais;
  • Gestor ISO 26.000
  • Interlocutor empresa-empregado, empresa-comunidade.
  • Manejo de recursos naturais;
  • Mediador nos projetos socioambientais (negociador na implantação de parques, reservas, áreas de proteção ambiental);
  • Negociador de conflitos;
  • Ocupação de cargos técnico-administrativos em diferentes níveis;
  • Participação em programas de assentamento;
  • Perito socioambiental;
  • Proposição e supervisão de estudos, projetos de pesquisa e/ou serviços;
  • Realização de estudos etnocientíficos (etnobotânica, etnozoologia, etnofarmacologia; etnoecologia; etnoagricultura e outras.)

Destaca-se que em cada uma dessas áreas de atuação é marcada por sua formação sistêmica, multidisciplinar, que lhe permite uma expectativa mais ampla da relação da espécie humana com seus diferentes ambientes. Suas atividades não estão restritas apenas às organizações governamentais e não governamentais, em empresas que procuram estreitar as relações ou minimizar os embates entre empresa-empregado, empresa-comunidade e empresa-ambiente, sobretudo, as que desejam ser empresas socialmente justas, economicamente viáveis e ecologicamente sustentáveis, bem como, a observânca quanto as comunidades inter etnicas envolvidas nos mais diferentes conflitos socioeconomicos, ambientais que afeta substancialmente a existencia destas. No aspecto do gerenciamento e planejamento urbano e rural, o Ecólogo Humano busca interagir de forma mais sustentável, tentando harmonizar crescimento e respeito ambiental.

Assim, podemos dizer que o trabalho do Ecólogo Humano é na verdade, a busca para a construção de uma nova sociedade, de fato, mais humana, mais justa, mais respeitosa com o meio ambiente e, consequentemente, mais sustentável, pois o respeito para este profissional não é apenas aos outros seres biológicos, mas, também ao ser humano, entendendo que somos todos membros do mesmo ambiente.

ALZENÍ DE FREITAS TOMÁZ

Pela Diretoria da SABEH

Response to "MANIFESTO EM DEFESA DA PROFISSÃO DO ECÓLOGO HUMANO NO BRASIL"

  • Prezada Presidente.
    Não seria interessante criarmos junto com a Sociedade Brasileira de Ecologia uma solicitação de manifestação no APP Mudamos+? Assim ajuntaríamos força.
    Ronaldo Alvim

    • Seria Muito interessante Ronaldo, todavia, ainda temos dificuldades na organização de nosso site, que possui vário limites. Você teria alguma sugestão.
      Aguarda,
      Muito Grata pela colaboração.
      ATenciosamente,
      Alzení Tomáz

  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *