Òsányìn: Os Segredos e Mistérios das Folhas Sagradas

Òsányìn: Os Segredos e Mistérios das Folhas Sagradas

Òsányìn: Os Segredos e Mistérios das Folhas Sagradas

O Mistério dos Mistérios
Prefácio de Juracy Marques
Luz do sol
Que a folha traga e traduz
Em verde novo
Em folha, em graça, em vida, em força, em luz
(Caetano Veloso)
12
Òdòmiróòsódún (Alzení de Freitas Tomáz)
A Terra, na sua mística forma de parir seus filhos e filhas, escreveu sobre sua pele desenhos de felinos, de borboletas, de pássaros, de gentes, de árvores. Grudados ou não a Ela, nossa deusa Gaia, todos somos parte desse corpo celeste dos encantos de Deus.
Gente e Folha não são coisas diferentes. São a mesma coisa misteriadas como belezas distintas e infinitas da existência.
São poesias de um mesmo livro, escritas em folhas separadas das escrituras, nunca escritas, vindas do coração de Deus.
O Humano guarda a Folha no seu espírito e a Folha guarda o Humano em sua alma.
Se nós pensarmos como parte de um mesmo organismo, nós e as folhas, somos células dessa criação divina, a Terra,
que também é parte de um sistema cósmico ligado ao Divino pelo Mistério. Somos, também, pontinhos minúsculos da pele vegetal de Deus.
Estamos todos contidos na fascinante aventura evolutiva dos organismos terrestres. Partilhamos caminhos semelhantes.
Fomos, em algum momento da história, a mesma coisa que, antes de ser essa mesma coisa, era a Consciência Divina inundada de Amor e Luz – o Mistério dos Mistérios.
Como há uma dimensão infinita e inalcançável nos espíritos humanos, há algo inacessível nas almas das folhas.
Quem é esse mistério? Que força é essa que esconde o poder das plantas? Que sistema rege a alma das árvores?
Pajés, xamãs, curandeiros, rezadores, benzedeiras, feiticeiros,
magos, alquimistas, químicos, botânicos, filósofos, médicos, bruxas, todas essas vidas são regidas pelo desejo de desvendar o mistério e o poder das folhas. Não há magia e cura sem as ervas. Não há natureza sem folha. Não há vida sem planta. Que poder nos faz vegetar e, alquimicamente,
nos torna em vegetais?
Essa relação é um princípio que governa uma das leis fundamentais da espiritualidade: nossa relação com o reino vegetal. No Candomblé, essa lei é traduzida com a evocação ancestral Kó si ewé, kó si Òrìsà, Sem Folhas não há Orixá.
Apesar do esforço de uma mentalidade antivegetalista, teísta ou ateísta, muitas nações da Terra, celebram a Divindade Suprema como se fosse a própria Natureza. Cada parte dela, os mares, as montanhas, os raios, o sol, os rios, os minerais, a lama, o fogo, as florestas, são cultuadas como forças
sagradas desse Grande e Inacessível Mistério da Criação. Um dos nomes que dá nome ao oculto que se esconde nas folhas é Òsányìn, o Orixá das Folhas.
É desse Mistério que Alzení trata nesse livro. Ela fala
de um segredo que ela carrega nos ossos, na pele, na carne, na
alma, no espírito. Para acessá-lo, ela entrou dentro das folhas
e se deparou com o desafio silencioso e oceânico de nomear o inominável. Ela, na sua relação com seu Pai, Òsányìn, deparou- se com o Sagrado do Segredo que se esconde nas plantas.
Então, o que a ela foi autorizado falar?
Quem ler os escritos desse Caderninho Verde, feito de celulose e de uma fotossíntese místico-ecológica que escorreu das veias da pele vegetal de Alzení, perceberá quão enigmático é esse Orixá, o Feiticeiro das Matas da Terra – Òsányìn.
Para mim Òsányìn é a Pele Vegetal de Deus, um dos Mistérios mais fascinantes do Universo. Se não podemos vê-lo, ao menos podemos senti-lo e bebê-lo com os
olhos do nosso espírito, amando, com todo nosso Ser, a Natureza Sagrada.

No comments.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *